Toshiba desenvolve célula combustível para computador portátil


05/03/2003

A empresa japonesa Toshiba anunciou hoje o desenvolvimento do primeiro protótipo no mundo de células de combustível para computadores pessoais (PC) portáteis, que podem colocar fim à necessidade de baterias recarregáveis.

A inovação é denominada Célula de Combustível de Metanol Direto (DMFC, siglas em inglês), pequena e capaz de produzir entre 12 e 20 watts de eletricidade. A DMFC garante autonomia de aproximadamente cinco horas com um único cartucho de combustível, que pode ser recarregado.

Conforme a Toshiba, apesar dos computadores portáteis, telefones celulares, PDA e outros equipamentos estarem progredindo vertiginosamente, a maior velocidade de processado de dados dos CPU, as melhores resoluções das telas, as conexões sem fios e outros avanços aumentam a demanda de eletricidade e põem em evidência as limitações das atuais baterias.

Assim, acredita-se que estas células serão o substituto das atuais baterias, mas até agora as empresas que trabalham em seu desenvolvimento se depararam com o problema da miniaturização e da liberação de combustível.

O fabricante japonês Toshiba é o primeiro a conseguir uma DMFC com depósitos de combustível miniaturizados para armazenar metano de alta concentração. Para assegurar que a célula de combustível gere a energia necessária com um gasto mínimo, o PC envia à DMFC a informação sobre seu estado de operatividade com o fim de equilibrar a demanda e a provisão energética. A célula conta com os mesmos eletrodos que os das baterias de íon-lítio, o que permite seu uso em outros aparelhos portáteis da mesma forma que as freqüentes baterias.

A companhia japonesa informou que continuará com o desenvolvimento da tecnologia de DMFC para lançá-la ao mercado em 2004.

Agência EFE

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.