Para analistas, mudanças na Web em 2007 virão de usuários

02/01/2007

Três especialistas em Internet prevêem uma continuação da influência do internauta nas mudanças que acontecerão na web em 2007, mesmo com a dificuldade que exista em se fazer previsões sobre o assunto.

Ainda que marcas como Google, Yahoo e Amazon sejam familiares aos usuários, os últimos 12 meses já deram sinais de que seus reinados não durarão para sempre.

Em 2006, nomes como YouTube, MySpace, Bebo e Facebook foram os que ganharam as manchetes, ao lado de vários outros sites de relacionamento

O foco nos usuários e em comunidades online deve continuar em 2007, de acordo com Kathy Johnson, da Consort Partners, uma empresa do Vale do Silício que vem recomendando às empresas que estão iniciando suas operações a se focarem no “Web 2.0”.

A Web 2.0 é a segunda geração de serviços baseados na web, como sites de relacionamento, wikis (sites que permitem ao usuário agregar ou editar informação do mesmo), instrumentos de comunicação e ‘folksonomias’ (sites que permitem a categorização coletiva de informação).

Comunidades

A grande tendência entre as empresas baseadas na Web será a “atualização da personalização”, diz Johnson. Com isso, ela quer dizer que as empresas tentarão explorar a informação gerada pelas comunidades que surgirem na Internet.

Ela diz que sugestões de livros e CDs feitas por lojas como a Amazon não têm a confiança das pessoas porque não se têm certeza de como elas são feitas. Por outro lado, os usuários tendem a confiar mais em recomendações vindas de grupos de interesse que eles participem.

“É por isso que todas as empresas estão falando em gerenciamento de reputação e associando com a personalização, pois assim, as recomendações têm a confiança do usuário”, afirma Johnson, para quem os sites como o Last.fm e Mog puxam a fila da nova tendência, que deve crescer nos próximos meses.

Para o empresário Philippe Courtot, 2007 deve ser um ano de profundas mudanças na indústria de tecnologia e que os produtos baseados na Web também devem ganhar espaço.

A facilidade e velocidade com que os programas baseados na rede estão sendo combinados estão fazendo com que mais e mais empresas se perguntem como elas podem criar os softwares que elas usam para manter suas organizações funcionando.

“Não é mais possível desenvolver softwares à moda antiga”, explica Courtot, fundador e presidente da empresa de segurança online Qualys. “Os custos de distribuição e suporte são cada vez maiores e a satisfação dos clientes só diminui”.

Ao invés de comprar uma licença para o programa e desenvolver os aplicativos sozinhas, cada vez mais companhias estão procurando empresas que possam oferecer software através de um browser.

Com os consumidores começando a ficar mais escassos, ele prevê um aumento na quantidade de fusões e aquisições entre empresas, já que empresas de software tendem a se canibalizar para permanecer no ramo. “Vai haver uma consolidação”, afirma Courtot. (segue)

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.