Na floresta, Aracruz melhora produtividade com internet transportável


12/08/2003

A Aracruz, maior produtora mundial de celulose branqueada de eucalipto, vem há seis meses ganhando produtividade com o uso de Internet Transportável, via satélite, da Comsat, para realizar a comunicação de dados de suas três estações móveis na Bahia e Espírito Santo. A tecnologia atende os especialistas responsáveis pelas atividades de colheita de madeira dos plantios de eucalipto, em extensas áreas florestais. Além disso, a empresa também adotou o satélite para outros seis escritórios regionais fixos. Anteriormente, a comunicação dos funcionários nestes locais era realizada via acesso discado.

Os sites móveis estão situados nas cidades capixabas de Aracruz – onde se localiza uma das fábricas – Conceição da Barra e Nova Viçosa, na Bahia. Já os escritórios fixos encontram-se em Araguaia, Ibatiba, Santa Teresa e Colatina (ES); Belo Oriente (MG) e Caravelas (BA).

Em dezembro de 2002, após uma implementação que durou cerca de 45 dias, os nove sites passaram a utilizar o serviço de Internet via satélite da Comsat para acessar o sistema de gestão SAP, o correio eletrônico Lotus Notes e aplicativos próprios, como o sistema de fomento florestal e o sistema de informações florestais, este último desenvolvido para apoio a atividades de colheita, silvicultura e inventário florestal. A solução também permite a transmissão de dados do sistema de automação e logística do transporte de madeira, que controla a frota e gerencia o transporte do eucalipto extraído.

Custo 20% inferior e única solução com mobilidade

De acordo com Marcelo Mendonça, especialista em Telecomunicações da Aracruz, a Comsat foi escolhida por ser a única empresa a oferecer uma solução para o problema da mobilidade com transmissão de dados em alta velocidade. Com garantias de disponibilidade de banda que os concorrentes não ofereciam, e por meio de antenas de 1,20 metro de diâmetro necessárias pelo difícil acesso nas áreas florestais, o apontamento pode ser efetuado por pessoal não-técnico.

Superando dificuldades

Anteriormente, havia grande dificuldade de acessar os sistemas, dada a infra-estrutura precária dos locais. Algumas vezes, como não era possível se conectar via linha discada, o funcionário precisava se deslocar da floresta, onde realizava trabalhos de medição/exploração, para ir até o escritório – muitas vezes distante até 80 km – e receber ou buscar algum dado necessário. Fato que chegava a atrasar o trabalho em cerca de três horas ou mais. Pior do que a perda de tempo, havia a insatisfação do profissional. Hoje, o acesso à informação é permanente, com melhoria na produtividade.

Site relacionado: www.comsat.com.br

Sueli Godoy – www.rsoficinadearte.com.br

Please rate this

 
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *