A Doutrina Bush e a Internet do Mal


20/03/2003

Gravadoras e grandes estúdios de cinema pegaram carona na doutrina do ataque preventivo, tão em moda na administração George W. Bush. Desde o início da semana, as mil maiores companhias de todo o mundo estão recebendo um calhamaço com o pomposo título “A Corporate Policy Guide to Copyright Use and Security on the Internet”. Parece coisa de conselheiros militares ou do FBI, mas é obra mesmo de bons – e caros – advogados.Assinado pelas entidades que representam a indústria americana de música, filmes e softwares, o documento poderia ser confundido com um inocente guia de boa conduta, mas as ameaças e perigos embutidos fazem com que se pareça mesmo é com uma declaração de guerra. No mínimo, com um ultimato.

O texto adverte com todas as letras que toda e qualquer empresa que permitir ao empregado, de forma consciente ou não, o uso, a cópia, o armazenamento ou a distribuição de músicas ou filmes em seus computadores estará sujeita a sanções judiciais e multas altíssimas. Entenderam? Ouvir no escritório o último sucesso da Maddonna recebido de um amigo ou da namorada torna a empresa em que você trabalha cúmplice de pirataria.

A tática é de guerrilha, mesmo. E o inimigo a ser combatido é a própria internet, mesmo que isso apareça apenas de forma dissimulada no documento. A Recording Industry Artist Association, uma das associações a assinar o ultimato, quer que as empresas tomem providências para evitar que seus sistemas e equipamentos se transformem em “instrumentos de crimes ou abusos contra os direitos autorais”.

Robson Pereira

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.