Vídeo e game são tendências em 2007

18/12/2006

Media Contacts, da Havas, expande sua atuação embalada por novas plataformas de comunicação. O alto custo da internet de banda larga do outro lado do mundo empurrou os japoneses a consumirem conteúdo de internet pelos aparelhos celulares. Já na Coréia do Sul, 12% das compras on-line são realizadas pelos telefones móveis. E o consumo não se limita a pequenas aquisições: os sul-coreanos fazem até supermercado pelo celular. Não é à toa que estes dois mercados estão dentro da estratégia de expansão da Media Contacts, divisão digital e de marketing interativo da Havas Media. A companhia considera que celulares, games e vídeos na web são as grandes plataformas para o marketing interativo, área que ano após ano conquista espaço na estratégia de comunicação dos anunciantes.

Atenta ao aumento de investimento, a empresa planeja, nos próximos dois anos, ampliar suas operações para cinco países. Hoje, a empresa está em 23, incluindo o Brasil. Para o CEO da Media Contacts, Don Epperson, a expansão vai além das fronteiras geográficas e se estende aos produtos, antes limitados aos banners nos portais.

A divisão digital e de marketing interativo da Havas tem dobrado de tamanho a cada dois anos, segundo Don Epperson. No Brasil, o crescimento ficará entre 95% e 100% em 2006. Para o próximo ano, a expectativa é alcançar incremento de 120%.

O executivo norte-americano explica que embora os estágios dos mercados sejam diferentes, a sofisticação da ferramentas usadas na propaganda on-line é baseada no cliente e não na situação do País. Isso significa que um recurso usado em uma campanha da Peugeot nos Estados Unidos, por exemplo, poderia ser aplicado também no Brasil, independentemente de o número de usuários de banda larga ser bem menor aqui.

O desafio como uma rede de agências é permitir que todos os países tenham acesso as nossas ferramentas. O Brasil é um dos mercados mais sofisticados em termos de produção. Tanto que há um centro de excelência no País, que trabalha para atender toda a rede, diz o CEO da Media Contacts. Em solo nacional, a agência tem operações desde 2000 e clientes como Peugeot, Air France, Accor, Web Motors, Guia Mais, entre outros.

Para Don Epperson, a inclusão da mídia on-line nas estratégias de comunicação das empresas vem ocorrendo em todos os países em que a agência atua. Agora, precisamos levar conhecimentos e novas idéias que estimulem mais anunciantes a ousarem um pouco e experimentarem o marketing interativo, comenta o CEO. No Brasil, a internet ainda tem uma participação pífia no bolo publicitário, perto de 2%.

Os anunciantes não adoram ou detestam um determinado tipo de mídia. O que eles adoram é o que funciona e descartam o que não dá resultados. Desta forma, é preciso provar que a mídia tem valor. Se isso for feito com a internet o dinheiro vai fluir e ela entrará na estratégia de comunicação, avalia o gerente-geral da Media Contacts Brasil, Ricardo Reis, ao acrescentar que agência, embora tenha clientes alinhados, pretende captar mais contas locais.

Novas plataformas:
Para o VP de pesquisa da Media Contacts Global, Timothy S Kelly, a plataforma de vídeo on-line será crucial para a propaganda em 2007. O YouTube é a coisa mais atraente da internet hoje em dia. É uma excelente idéia como modelo de distribuição. Porém, acho arriscado colocar uma marca ao lado de vídeos de esquilos esquiando ou de filmes ilegais. É preciso achar um caminho do meio , diz o executivo. Os games, diz Kelly, também devem ganham força no próximo ano. No Brasil, a Media Contacts contratou uma pessoas para cuidar exclusivamente do Second Life. O Second Life é um grande negócio, especialmente no Brasil onde as pessoas estão abertas a novas maneiras de interação, finaliza Ricardo Reis.

(Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 6)(Camila Teich)

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.