Redes sociais podem trazer mais retorno do que anúncio publicitário

14/06/2010

É cada dia mais comum usarmos o termo "redes sociais". Está na boca de adolescentes e de empresários. Nas casas de cada um e nas corporações. Segundo dados do IBOPE//NetRatings, divulgados em junho deste ano, 18,5 milhões de pessoas navegaram em sites relacionados a comunidades durante o período da pesquisa. Se somados os fotologs, videologs e os mensageiros instantâneos, este número salta, em média, para 20,6 milhões de brasileiros que navegam pelas páginas de relacionamento on-line – um valor que representa cerca de 90% do total de usuários que acessam a Internet mensalmente.

Mas o que isso significa e por que esse conceito vem sendo freqüentemente utilizado? As redes sociais são formadas por indivíduos com interesses, valores e objetivos comuns para o compartilhamento de informações. A Internet é um dos grandes fomentadores para a formação de redes, já que elas proporcionam o encontro de pessoas, independente de tempo e espaço.

Essas redes sociais on-line são criadas a partir de sites de networking como o Orkut, um dos principais tipos de ferramenta de mídias sociais. Elas envolvem diversas atividades que integram tecnologia, interação social e a construção de palavras, fotos, vídeos e áudios. A forma como a informação é apresentada depende das diferentes perspectivas da pessoa que compartilhou o conteúdo, podendo ter vários tipos como fóruns de Internet, weblogs, wikis, podcasts, fotos e vídeos.

Todas essas formas de transmitir informação geram uma interação que se contrapõe aos convencionais meios de comunicação como televisão, rádio ou jornais. Isso se dá porque os próprios usuários são os responsáveis pelo conteúdo, que pode ser postado, compartilhado, comentado ou até mesmo alterado por outras pessoas.

De fato o Orkut foi um divisor de águas na difusão das `redes sociais` no Brasil. Hoje, sites como Flickr, Facebook, YouTube, Second Life e muitos outros são exemplos de seguimento desse conceito, cuja receita de sucesso está na utilização de ferramentas fáceis, arquitetura participativa e liberdade de comunicação.

As mídias sociais e as empresas
Tão importante quanto entender o conceito é saber como usar as mídias sociais. Há pouco tempo, empresas descobriram que uma comunidade no Orkut, por exemplo, pode ser mais eficaz do que um anúncio para difundir a sua marca. Ou que um vídeo espalhado viralmente no YouTube pode gerar resultados impressionantes.

Ações como essas estão baseadas nos resultados de estudos como o Edelman Trust Barometer. A pesquisa busca entender como as pessoas formam suas opiniões hoje. O resultado indicou que os entrevistados confiam mais em seus pares do que em especialistas ou em acadêmicos. Daí a força das redes sociais para motivar a tomada de decisões. Reforçando esta constatação, de acordo com o levantamento do IBOPE/NetRatings, campanhas on-line partindo de blogs ou outras redes sociais podem ter impacto 500 vezes maior do que as feitas a partir dos sites das próprias empresas.

Tudo isso evidencia que a utilização de mídias sociais já não é mais uma simples tendência. Por isso, empresas estão investindo em profissionais que entendam desse tipo de comunicação e que vivam realmente essa realidade. Não adianta apenas participar de fóruns, colocar vídeos na rede ou criar blogs corporativos. É fundamental que a equipe inteira acompanhe esse movimento que está revolucionando a forma de se comunicar.

* Artigo feito com a colaboração de Juliano Spyer, autor do livro Conectado – O que a internet fez com você e o que você pode fazer com ela, lançado em 2007 pela editora Jorge Zahar, e especialista e responsável por mídias sociais na Talk – comunicação interativa.

Luiz Alberto Ferla é administrador e engenheiro pós-graduado em planejamento estratégico, é CEO das empresas Talk Interactive e Knowtec.

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.