O mercado para os jornalistas de web


07/06/2004

Uma pesquisa recente feita por jornalistas do eltiempo.com – site do jornal diário El Tiempo, da Colômbia, e também o site jornalístico mais visitado daquele país – traz alguns dados expressivos sobre jornalismo on-line na América Latina. Os resultados da sondagem, que foram apresentados no 5.º Simpósio Internacional de Jornalismo Online, em Austin, Texas, nos EUA, revelam, entre outros dados, que a maioria dos jornalistas que trabalham em internet de jornais latino-americanos são bastante jovens, ganham menos do que seus colegas de mídia impressa e são vistos, em geral, por seus empregadores, em um nível profissional mais baixo que os demais.

A pesquisa apontou também que o trabalho dos jornalistas on-line é focado mais em texto e edição e pouco em reportagem. Além disso, esses profissionais afirmam que sentem falta de formação teórica mais adequada nesta área, em especial na aquisição de conhecimentos técnicos sobre a web, que ainda não são oferecidos regularmente nas universidades – e tampouco os empregadores têm estimulado os jornalistas a fazer cursos na área, oferecendo oficinas ou módulos de treinamento. A pesquisa foi feita pela internet, pelos jornalistas Julio César Guzmán e Guillermo Franco, e teve o apoio da Sociedade Interamericana de Prensa (SIP), Grupo Diarios de América (GDA), e Fundación para el Nuevo Periodismo Hispanoamericano.

A sondagem foi respondida por mais de 70 coordenadores de websites, unidades de internet ou sites de jornais impressos. A lista de pesquisados abrange veículos líderes em seus respectivos mercados, o que conferiu boa representatividade ao trabalho. Entre os veículos que participaram, estão o Globo Online e o ClicRBS, do Brasil; o La Nación e o clarin.com, da Argentina; o El País, do Uruguai; o El Universal, do México, e o bolívia.com, na Bolívia, entre outros. Além destes, dezenas de websites de conteúdo noticioso da América Latina que não possuem versão impressa foram também pesquisados.

A jornalista Cláudia Belfort, que durante quatro anos foi editora de internet e coordenadora de internet do site TudoParaná, do Grupo RPC, em Curitiba, analisou alguns resultados da pesquisa a pedido do Comunique-se.

Para ela, que atualmente é editora-chefe do jornal Gazeta do Povo, também do Grupo RPC, a parte da pesquisa que aponta texto e edição como foco principal do webjornalismo está correta. “Muitos ainda acham que a internet carece de grandes reportagens. Mas o meio web é lugar para furos, para a notícia do tempo real. Quem deve ser mais profundo na reportagem é o jornal, a mídia impressa”, afirma.

Já a questão salarial, pelo menos na RPC, não condiz com o resultado da pesquisa, afirma Cláudia Belfort. “É verdade que a maioria dos jornalistas online é jovem. Mas no TudoParaná os salários são iguais aos de repórter e editor do jornal”, aponta.

Cláudia diz também que jornalistas que trabalham para o meio web não precisam fazer cursos de webdesign ou programação. “Precisam ser bons jornalistas, bons apuradores, ter bom texto, trabalhar rápido com pouco erro e saber fazer título”, explica, comentando o ponto da pesquisa que toca na formação desses profissionais.

A sondagem do eltiempo.com apontou que a maioria dos empregadores (jornais impressos) reduziu os departamentos de internet porque, de acordo com as empresas, o que essas unidades fazem não é suficiente para bancar sua própria operação. Por essa razão, em algum momento, algumas das empresas decidiram cobrar pelo acesso ao seu conteúdo na internet.

Bia Moraes, de Curitiba

Please rate this

 
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *