O dia a dia fazendo o novo milênio


17/07/2005

Acordo cedo, mesmo quando durmo tarde. Antes do café corro para o escritório apoiado pela ansiedade de verificar os e-mails. Pronto speedy detonado, algumas dezenas de contatos rapidamente aparecem na tela via “outlook”. Joga-se fora à metade, entre spans, copiladores de informações e tentativas de vírus. Começo a ler algumas dezenas de contatos, a maioria deles feitos na madrugada por internautas desprovidos de banda larga. É incrível perceber como a internet exige um esforço extra das pessoas, que agora dormem muito menos acumulando nas madrugadas um espaço solitário para pesquisas.

Desculpe amigo leitor! Meu filho Gabriel acordou e está me chamando! Respondo: Espera um pouco. Vou preparar o seu café.

São oito horas e um pouquinho, o resto da família já foi à luta, sobrou o pai e sua opção home work.

Sirvo o café do Gabriel, que ainda está de férias e pede para faze-lo no meu quarto, pois já está assistindo a um desenho. Não foi fácil, mas aos poucos vou evoluindo as técnicas domiciliares e rapidamente o “Pai babá”, prepara o “coffee” do filho que em troca permite que retorne ao trabalho por mais algum tempo.

Da mesma forma que a tecnologia se sofistica, criando convergências via plataformas únicas de sistemas, tal como a evolução dos sistemas celulares, deve-se atentar que o mundo multifuncional somente será real diante da sua capacidade de se transformar para acompanhar. Num simples resumo, não existe mais divisão de trabalho e nem de funções, quando é preciso, alguém mais próximo a realização deve se dispor, de forma natural, a faze-lo.

Conquistar significa aprender a extrair leite de pedra, e para tanto até o Gabriel tem a clara experiência que para entender muito sobre algo, é preciso repeti-lo “n” vezes. Para se ter uma idéia do que estou falando em média uma criança chega a assistir 48 vezes o mesmo filme, pois este é o ciclo necessário para se ter o domínio de todos os detalhes que completam uma obra. Se você fizer a mesma coisa irá reparar que a cada nova leitura acumulará cenas que não tinha prestado atenção ou mesmo que foram ocultadas pelo piscar dos seus olhos e é assim que as coisas evoluem nas nossas vidas, através do preenchimento com detalhes que aparentemente são desprezíveis, mas que no fundo fazem a diferença. O que você não faz hoje pode ser necessário amanhã. Tente ampliar sua utilidade partindo pelas coisas que nunca quis fazer, pois isso fará com que amplie sua percepção do como tem que fazer o que já faz.

Nunca pense que um planejamento bem educado é garantia para alguma coisa. Entre planos e execuções existe uma natural diferença encoberta de fatores imprevisíveis, que determinarão por ajustes, para que se obtenha lógica pela busca do resultado esperado. A grande pobreza está em não conseguir achar mais nada para acrescentar, no dia a dia das suas ações, sejam profissionais ou pessoais. Resultados à parte, na verdade entre o propor e o conquistar exige um grau de paciência, aonde o tempo deve ser considerado como fator de amadurecimento e aperfeiçoamento, tal como acontece na rotina de um grande pescador. Falo isso no momento em que retorno, pela quarta vez, ao desenvolvimento de uma proposta, cujo processo de negociação já alcança longos oito meses do contato inicial. Normalmente, nestes casos a maioria desiste no caminho, mas especialmente hoje tenho a certeza que estou, passo a passo, chegando mais próximo às necessidades e cultura do cliente solicitante. Acredito que realmente agora sai, mas se o destino nos levar a uma quinta rodada estaremos lá, com mais ajustes, com mais re-leituras até alcançar o atrativo ideal para o êxito da conquista. Paro um pouco com a finalização da nova proposta, está chegando um contato via “messenger”, que no meu caso sempre são dos parceiros mais próximos, aproveito para esclarecer dúvidas, sou ajudado, mas também ofereço e contribuo para melhorar a estratégia do amigo. Se vocês querem ter parceiros, saibam que terão que oferecer coisas boas para receber outras em trocas, pois as pessoas somente procuram quando necessitam de algo. Essa é a diferença entre se considerar útil e ser útil.

Vou parar mais uma vez, neste momento o Gabriel se encontra brincando com os dinossauros no jardim, sou chamado para auxilia-lo na montagem do cenário de batalha entre os herbívoros e carnívoros. Mais tarde vou leva-lo ao Mac Donald, que não possui o meu cardápio preferido, mas é a opção numero um do filho, que vem me ensinando gradativamente a importância de fazer concessões. Na verdade não sei se ele vai ao Mac, pelos brindes ou pelo apetite, mas tenho certeza que os fatores da sua decisão são os mesmos das estratégias da rede, pois a compensação final é a diversão e assim consigo que se alimente, brinque e depois descanse. É a produção da felicidade em grande escala, coisa dos tempos modernos!

Já estou no período da tarde. Acabo de receber um artigo fantástico, sobre a experiência de um profissional trabalhando há 17 anos numa organização Sueca, o conteúdo é rico, mas uma frase citada valeu pelo fechamento da matéria. De John Lennon: A vida são as coisas que acontecem enquanto fazemos planos para o futuro.

Recebo mais um e-mail, a natureza da solicitação é por uma palestra e como sempre faço, saio a caça de mais informações sobre o solicitante, seu nome é pesquisado, sua empresa também. A rede sempre destaca feitos importantes, e de uma forma ou de outra encontraremos algo que caracterize o perfil do pesquisado. Teoricamente os sistemas de buscas procuram referenciar pessoas e empresas que desenvolvem trabalhos coerentes e lógicos, são seletivos e destacam por intermédio dos portais as pesquisas referentes aos acontecimentos passados e futuros do que procuramos. No mundo virtual, não se obtém respostas por lindas fotos ou estética, mas pelo conjunto da obra e interesse estruturado do conteúdo abordado. Objetivamente, coerência e honestidade são rapidamente percebidas pelos consumidores do seu produto ou serviço. Poucos são aqueles que ainda conseguem comprar gato por lebre. Na escalada da competitividade está ficando cada vez mais difícil enganar alguém, portanto seja muito bom no que faz ou pretende fazer. Invista com uma lógica previamente estudada e planejada, mesmo sabendo que na hora da aplicabilidade dos seus planos, muita coisa sairá diferente.

Mais um dia está terminando, este já foi útil. Chegou a hora de passar a receita do jantar para a empregada, ainda vou dar banho no Gabriel. Não consigo para de lembrar a velha frase do atual John Lennon: A vida são as coisas que acontecem enquanto fazemos planos para o futuro.

Sérgio Dal Sasso é palestrante e consultor em gestão de negócios
Site: www.sergiodalsasso.com.br

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.