Native Ads: o futuro do marketing digital

O consumidor busca soluções de valor e oferecer essas facilidades é um dos fundamentos mais desafiadores do marketing digital.

O Marketing Digital está em constante evolução e faz com que profissionais da área busquem aperfeiçoamento todos os dias, não somente para não ficarem obsoletos, mas para colocarem seus clientes à frente de seus concorrentes com as melhores e mais eficazes estratégias.

marketing digital

A luta pela audiência não é tarefa fácil e fica ainda mais acirrada quando dados como os divulgados pelo SXSW (South by Southwest) mostram que 76% dos consumidores não acreditam em propaganda.

Existem diferentes ferramentas de marketing digital voltadas para atrair público segmentado, entre elas o Google Adwords e o Facebook Ads.  

Conteúdo relevante continua sendo uma das estratégias mais assertivas, justamente porque entrega algo de valor ao público. Mas como atrair esse público até o seu conteúdo?

Além de publicar posts no site de forma otimizada para que apareçam na busca do Google e investir em uma assessoria de comunicação online para publicar artigos e releases em outros sites, uma nova estratégia surge como aliada do marketing de conteúdo. Estamos falando do Native Ads.

Como o native advertising pode mudar a experiência dos usuários

Em um campo que as pessoas já estão cansadas de ser bombardeadas com anúncios abrindo e fechando em suas timelines, é natural que fujam dessas propostas desesperadas por atenção.

É por isso que o native advertising, publicidade nativa ou ainda anúncios nativos, na tradução, se torna tão eficaz. De forma natural, artigos, postagens, histórias e outros, são inseridos no meio do conteúdo do site ou rede social, como conteúdo patrocinado.

Assim, o usuário é levado a consumir conteúdo relevante, mesmo que seja uma publicidade, pois estará com uma roupagem mais discreta e agregará valor à experiência daquela pessoa.

Como fazer native advertising

Mesmo sendo pago e identificado como publicitário, o conteúdo pode ser inserido em diversos canais como sites de conteúdo, blogs, revistas online e mídias sociais como Twitter, Tumblr, Instagram e Facebook, que, aliás já estará liberando a opção a partir do mês de abril.

A política de funcionamento é ditada por cada canal, que especifica as opções de como usar o native advertising.

A experiência bem-sucedida do Yahoo com native ads

O Yahoo divulgou recentemente seus bons números, que mostram crescimento no consumo de anúncios nativos em todas as regiões e tipos de dispositivos. Na América Latina, registrou que a publicidade nativa teve um alcance de 5,6 bilhões de impressões em 2016.

O native ads vem sendo cada vez mais usado pelos anunciantes e isso reforça o surgimento de publishers. Apenas a ferramenta Yahoo! for publishers registra mais de 3.400 veículos com 74,5 bilhões de impressões de anúncios nativos. Em 2016 ocorreu um aumento de 16% no volume de publicidades nativas.

Os native ads atraem três vezes mais a atenção do que os anúncios display e são uma importante ferramenta para anunciantes que buscam maximizar o alcance e também o engajamento.

A eficácia do formato pode variar de acordo com os objetivos e categorias de publishers. Usuários engajam de forma diferente dependendo do objetivo e das categorias de sites onde as native ads são publicadas. Segundo o levantamento State  of Native, jornais e revistas podem ter muito mais conversões em campanhas de divulgação de aplicativos móveis. Em termos de audiência, anúncios veiculados em sites de esporte, entretenimento e temperatura experimentaram a melhor taxa de conversão.

Os resultados foram obtidos a partir do entendimento sobre como o público está envolvido e em quais dispositivos está mais presente. Esse engajamento pode variar de acordo com a hora do dia e a localização da pessoa.

No Brasil, por exemplo, ao longo do dia os aplicativos de mensagem são o foco para conversão; já na América do Norte, a preferência dos usuários à tarde e fim de tarde são os smartphones, e as noites os desktop.

 
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *