Música digital cresce 900% na Europa e nos EUA


19/01/2005A música digital entrou definitivamente para o topo das paradas de consumo. Em 2004, os internautas dos Estados Unidos e da Europa baixaram mais de 200 milhões de canções, superando em dez vezes o número de downloads de 2003.

Os dados revelados no estudo Digital Music Report 2005, divulgado nesta quarta-feira (19/01) pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI na sigla em inglês), também mostram que as vendas de músicas digitais trouxeram receitas significativas para as gravadoras. A empresa de análises Jupiter Research estima que o mercado de músicas digitais tenha gerado US$ 330 milhões em 2004, valor que deve dobrar em 2005.

O estudo da IFPI, entidade que representa 1.450 gravadoras, mostra que os canais de oferta de músicas online legalmente também aumentaram. O número de sites neste perfil cresceu de 50 em 2003 para 230 no ano passado.

Os celulares e players portáteis liderados pelo iPod, da Apple, ajudaram a ampliar o uso da música digital entre os coinsumidores. Estima-se que as músicas sejam responsáveis por 50% das receitas de conteúdo móvel das operadoras de telefonia celular.

A pesquisa mostra que as campanhas pelo download legal de músicas na rede têm modificado a atitude dos internautas em relação à pirataria. Entre as iniciativas estão as campanhas ‘Download Me Legally’, entre artistas da França, e a ‘The Drummer’ que promove sites que operam legalmente em 30 países da Europa.

Em uma pesquisa realizada com internautas da Dinamarca, França, Itália, Áustria, Alemanha e Reino Unido aproximadamente um a cada três respondentes pretende comprar músicas em serviços que operam legalmente (31% contra os atuais 22%).

Apesar dos sinais de esperança para a indústria fonográfica, a entidade mostra que o download de músicas ainda está engatinhando e que menos de uma entre dez pessoas que baixam músicas na web, na faixa de 16 a 29 anos, têm idéia de que há meios de fazer o download legalmente. (segue)

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.