Internet vira arma contra baixaria na TV


17/02/2003

Desde quarta-feira o telespectador tem um ombudsman. Quem não agüenta mais o domínio de glúteos femininos sacolejando nos domingos ou não suporta os “barracos” por conta dos testes de DNA das atrações de auditório, pode colocar a boca no trombone. Ou melhor: os dedos no teclado.

Entrou no ar anteontem o site da campanha Quem Financia a Baixaria é contra a Cidadania, da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. No endereço www.eticanatv.org.br, há um espaço para o telespectador reclamar dos abusos cometidos por produtores que não têm limites para obter pontinhos a mais no Ibope. Também no site, o telespectador que quiser estudar a fundo o tema televisão encontrará artigos e pesquisas sobre o veículo.

Em vigor há três meses, a proposta da campanha é dar um puxão de orelha nos programadores que cometem excessos. Como armas, a divulgação de rankings com os piores programas e, em casos extremos, a publicação também da lista dos patrocinadores das atrações-baixaria.

No mesmo dia em que o site entrou no ar, a Comissão se reuniu para definir os próximos passos do projeto. “São 19 relatores que, a partir das denúncias dos telespectadores, vão inicialmente monitorar os programas. Depois, vão entrar em contato com os produtores e, ao final, elaborar um relatório que será discutido em uma reunião com todos os membros do projeto”, explica Laurindo Leal Filho, diretor da ONG TVer, um dos membros da Comissão.

A emissora que transmite o programa-baixaria será notificada algumas vezes. Caso continue com a mesma postura, a Comissão vai apelar para os patrocinadores, alertando-os de que se trata de uma atração de má-qualidade. E se os anunciantes continuarem apoiando a atração, vai sobrar para eles também: no site, será publicada uma lista com o nome das empresas e o lema da campanha, “quem financia a baixaria é contra a cidadania”.(segue)

Site relacionado: www.eticanatv.org.br

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.