Empresas tradicionais acordam para importância da web

13/10/2008

Max Petrucci

O Mixx 2.8, um dos mais relevantes eventos de publicidade online do mundo, começou quente em Nova York. O evento, promovido pelo Interactive Advertising Bureau (IAB), a maior e mais importante entidade de propaganda online do mundo, está cercado de expectativa por parte dos ouvintes.
 
Logo na primeira palestra, Deborah Meyer, vice-presidente e Chief Marketing Officer (CMO) da montadora Chrysler, falou sobre um caso interessante. Ela mostrou a crescente importância da Internet para as empresas do mundo tradicional.
 
 A palestra de Meyer revelou algumas dificuldades que as empresas do mundo “offline” encontram para obter bons resultados na web. A executiva contou em detalhes a experiência online da Chrysler nos últimos dois anos–marcada por um forte investimento neste setor.
 
De acordo com Meyer, a Chrysler direcionou o maior percentual da verba de publicidade para conhecer a força e trabalhar o impacto das marcas da companhia no mundo online. Segundo ela, a montadora destinou muito dinheiro na reformulação de seu site institucional e em programas de informação e relacionamento com clientes e parceiros. O objetivo? Estar presente ao longo de todas as “ramificações” de suas marcas na internet.
 
O caminho da Chrysler revela uma forte tendência nas empresas americanas: o digital branding, que consiste em tentar aproveitar a identidade da marca em diversas ações complementares na web. A idéia é posicionar a marca diante de cada um dos públicos de relacionamento da empresa, aproveitando o que cada canal (site institucional, banners, anúncios, gadgets, redes sociais, sites de vídeo) têm de melhor.
 
Apesar de ser um modelo que traz ótimos resultados, sua implementação não é tão óbvia. Segundo Meyer, a audiência questionou a aderência da marca Chrysler na internet, pois a empresa é vista como uma montadora muito tradicional e, por vezes, “caipira”. A resposta da palestrante foi categórica. “A internet não é mais um nicho comportamental, restrita a pessoas jovens, modernas e descoladas. É um ambiente cada vez mais democrático e eficiente”, disse.
 
Cerca de 80% do total de vendas da Chrysler passam pela web. Se cruzarmos esse dado com as informações de uso da Internet no Brasil, extraímos uma mensagem desanimadora: muito dinheiro está sendo perdido e outro tanto está sendo desperdiçado em ações desconexas. É hora de fazer mais e melhor na web. Imediatamente.
 
Debate provocativo
Depois da palestra de Deborah Meyer, houve um debate interessante entre os líderes do Google e da Publicis (4º maior grupo de publicidade do mundo) em que foi discutido o impacto da parceria feita há meses entre as gigantes para trabalhar em conjunto na internet. Tim Armstrong, presidente da área de publicidade e e-commerce do Google, e David Kenny, executivo da Publicis, falaram informalmente sobre como tem sido a parceria até agora.
 
O debate gerou um questionamento comum entre os ouvintes. Todo mundo se perguntava: porque a Publicis decidiu abrir as portas justamente para o Google, empresa que mudou totalmente a forma de fazer propaganda? Curiosamente a resposta pode estar em uma frase que Steve Ballmer, presidente da Microsoft, não cansa de repetir: “No mundo da tecnologia, você não precisa correr mais do que o urso. Basta correr mais rápido que aquele que está ao seu lado”.
 
Max Petrucci é sócio-fundador da Garage Interactive Marketing (www.garageim.com.br), agência digital do Brasil. Foi diretor de produtos de comunicação da Microsoft para a Ásia/Pacífico, Canadá e América Latina, sendo um dos responsáveis pelo lançamento do MSN Messenger no Brasil, e posteriormente um dos fundadores do WebMotors. À frente da Garage, atual no modelo “full interactive” para clientes como Skol, Habib´s, Toyota, Nivea e Rain, entre outros.

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.