E-consumidor gasta 10 vezes mais que cliente tradicional, afirma Cetelem

04/04/2007

Análise aponta que quem compra pela internet tem renda média disponível de R$ 989,35, enquanto “clientes offline” possuem R$ 86,52.

Enquanto o acesso à internet tenta chegar às camas menos abastadas da sociedade, por meio de projetos privados ou incentivos federais de inclusão digital, o comércio eletrônico reitera sua exclusividade para as classes mais altas.

Estudo da consultoria Cetelem aponta que o usuário médio de sites de e-commerce no Brasil tem renda disponível média de 989, 35 reais, enquanto clientes que não costumam fazem compras online têm rendimentos mais de dez vezes menores (86,52 reais).

A análise, feita em parceria com a Ipsos, diz respeito ao ano de 2006.

Mesmo com a elitização, a renda média de consumidores que já comprara pela rede caiu no período, indicando uma ainda tímida “popularização” do serviço.

Em 2005, a cifra que chegou a quase mil reais no ano passado, era o dobro, atingindo 1.827,61 reais.

A exclusão digital que o brasileiro enfrente nas compras online é comprovada também pelo aumento dos usuários que já experimentaram o e-commerce: 5% da população, contra 4% no estudo referente a 2005.

A intenção de compra pela internet cresce no mesmo ritmo no período – enquanto 17% dos entrevistados em 2005 afirmaram ter interesse no e-commerce, 19% disseram o mesmo no ano seguinte, dentro de um universo em que 26% dos brasileiros têm acesso regular à internet. (segue)

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.