Confiança é diferencial no comércio eletrônico

28/08/2007

Garantir que os usuários do comércio eletrônico se sintam seguros e conseguir melhores negociações com fornecedores, para reduzir os preços, são os maiores desafios das empresas que atuam no segmento. De acordo com Ygor Camerieri, porta-voz da Câmara e-net, o consumidor ainda tem medo de comprar pela Internet. “É uma questão cultural, as pessoas ainda não perceberam que é muito mais seguro fazer compras on-line”, justifica Camerieri. Para o executivo, o problema não está na infra-estrutura das lojas, mas sim na confiança do consumidor. Nesse sentido, a Câmara espera que a certificação digital possa mudar a percepção das pessoas em relação ao serviço.

Para Patrícia Vance, professora da Fundação Instituto de Administração (FIA) e do Programa de Administração do Varejo (Provar), a familiaridade com a marca é uma das principais razões que levam os consumidores a optarem pelo comércio eletrônico. “O cliente acaba sempre preferindo ir para uma empresa com forte reputação no mercado”, afirma. Isso inibe, de certa maneira, a entrada de novos participantes no mercado. De acordo com a professora, as empresas menores acabam tendo maior sucesso quando atuam em nichos ou com produtos diferenciados.

O tamanho das empresas também acaba sendo um diferencial por conta da possibilidade de melhores negociações com fornecedores e, consequentemente, de ofertar preços mais baixos. Patrícia ressalta que a concorrência no varejo on-line é muito baseada em preços, já que os consumidores podem pesquisar valores com extrema facilidade e rapidez. Nesse sentido, a professora diz que a entrada de empresas como Casas Bahia, Wal Mart e Carrefour no comércio eletrônico, prevista para o ano que vem, deve provocar uma queda nos preços. “Essas companhias são reconhecidas por seus preços baixos e melhores condições de compras”, justifica.

Ludovino Lopes, vice-presidente da câmara e-net, acredita que o fato da B2W (organização resultante da fusão entre Americanas.com e Submarino), possuir 50% do mercado de vendas on-line não representa um perigo para o setor. “Algumas empresas estão hoje colhendo os frutos do pioneirismo e isso tende a fazer com que outros participantes do mercado entrem no comércio eletrônico. Considero isso um bom sinal”, afirmou o executivo. Segundo Pedro Guasti, diretor geral da empresa de pesquisas e-bit, o segmento deve começar a ver a entrada de grandes players na disputa. “A briga vai ser boa”, promete.

Rodrigo Caetano

Please rate this

 
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *