Carimbo digital confere segurança às transações eletrônicas


02/06/2004

Apesar de oferecer alguma resistência, o Brasil está assimilando aos poucos a tecnologia da certificação de transações eletrônicas. O economista Marcos Nader, fundador do Comprova.com, explicou durante reunião conjunta dos comitês de E-Business e Mobile Business da Amcham-SP, que o fator cultural é importante na adoção de novas tecnologias e tem sido assim com o negócio de segurança digital. “A notificação via e-mail com time stamping é mais segura do que uma AR (aviso de recebimento postal), mas culturalmente as pessoas ainda acham que não.”

Time stamping, ou carimbo de tempo, é um dispositivo desenvolvido pela Comprova.com que faz a certificação eletrônica de documentos digitais usando a hora exata fornecida pelo relógio atômico do Observatório Nacional. Com o dispositivo, já não é necessário ter uma assinatura digital para se obter transações eletrônicas com segurança, porque quem certifica a validade do documento é a própria Comprova.com. O serviço pode ser contratado para apenas uma operação ou para milhares, dentro de um sistema pré-pago.

O documento, que pode ser um e-mail ou um formulário de compra, passa a ter validade legal com o carimbo de tempo, diminuindo assim os riscos jurídico e financeiro das operações virtuais. “O carimbo digital preserva o conteúdo do documento e insere a hora exata em que ele foi feito”, explica.

Segundo Nades, a ferramenta captura as evidências de que a ‘conversa’ entre os dois computadores aconteceu e as guarda. “Isso dá valor legal e inverte o ônus jurídico.”

O dispositivo da Comprova.com tem sido usado principalmente para contratos de câmbio e trabalhos para escritórios de advocacia.

As transações digitais são cada vez mais freqüentes no Brasil porque trazem benefícios tais como praticidade e redução de custo operacional. Só em 2003, disse Nader, o negócio movimentou R$ 9 bilhões no país. (segue)

Update/Amcham

Please rate this

 
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *