Brasil bate recordes na Internet


03/01/2006

O brasileiro bateu em 2005 todos os recordes da internet mundial. No rastro das vendas dos aparelhos que permitem ouvir músicas (MP3) e imagens (MP4) baixadas da internet, foi a população que mais usou o serviço. Também liderou o número de horas de navegação e o uso de comunicadores, sendo o MSN, o popular Messenger da Microsoft, o mais usado.

Quando o assunto são comunidades, a exemplo do Orkut, o País ocupa a segunda colocação, atrás apenas do Japão, onde muitos dos usuários também são brasileiros que estudam e trabalham naquele país, os chamados dekasseguis.

Os dados são de pesquisa Nielsen/IbopeNet Ratings, que monitora o que ocorre em 11 países. Em novembro, por exemplo, 12,52 milhões de brasileiros navegaram na internet utilizando computadores em seus domicílios, um aumento de 17,5% em relação ao total verificado em janeiro. O número de horas diárias navegadas atingiu 17 horas e 53 minutos, fazendo do País o líder no uso.

Mais foi a música o principal destaque do ano. Em novembro, 5,6 milhões de visitantes únicos entraram em sites em busca de música para cópia (download), 65,5% mais que em novembro do ano passado. “O aumento da oferta de downloads legalizados, a maior disponibilidade da banda larga e a popularização de tocadores de MP3 e outros padrões digitais ajudam a impulsionar esse uso”, diz Marcelo Coutinho, diretor-executivo do Ibope Inteligência.

Segundo Coutinho, o iTunes, site da Apple criado para dar suporte ao iPod, é emblemático da tendência verificada no País e tem tudo para ter registrado forte impacto em dezembro, com até crianças pedindo aparelhos de presente.

“Embora os sites mais visitados sejam os canais de música dos grandes portais, a parte exclusiva do iTunes registrou 340 mil usuários únicos em novembro no Brasil, ou seja, crescimento de 261% ante novembro de 2004”, observa ele.

Para Alexandre Magalhães, coordenador de análises do Ibope/NetRatings, a internet, ao lado dos celulares, necessita de inovações para conquistar novos usuários. Ele reconhece que, em números, o País tem ainda poucos usuários, mas esses usam todas as ferramentas disponíveis e são os que tornam o Brasil um centro de referência no uso da mídia.

“É um retrato da nossa realidade, com forte concentração de renda.” Só que hoje, com a disponibilidade de computadores em escolas, reforçados por programas de inclusão digital, isso está mudando.

Os próprios celulares, extremamente disseminados por todas as faixas etárias e de renda, com 82,3 milhões de aparelhos em operação até novembro, de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), também têm contribuído para popularizar a internet, especialmente depois das câmeras digitais acopladas aos aparelhos. A febre dos ring tones, aqueles toques musicais de aparelhos de telefonia móvel, também contribuiu para o grande número de downloads.

Magalhães vê hoje duas tendências principais no terreno da internet. A primeira é perda da importância da língua, com o uso de carinhas e palavras compactadas ou imagens, a exemplo de Blogs, os Fotologs, Comunidades e Instant Messengers. O que permite aos usuários, mesmo sem conhecimento de línguas, manter comunicação com várias pessoas no mundo. E o brasileiro é que mais usa ferramentas das conversas em tempo real e tomou de assalto um projeto de comunidade de internautas, como o Orkut.

A segunda tendência são os jogos, com alguns usuários vivendo como seus personagens, a exemplo dos RPGs (Role-Playing Games). E qualquer novidade, diz Magalhães, fascina o brasileiro, que entra com força na rede para participar e garantir ao País a liderança no uso dos novos serviços. Na sua avaliação, quanto mais informais forem as ferramentas apresentadas e quanto mais oferecerem a possibilidade de convivência virtual, mais sucesso terão as iniciativas.

O usuário da internet quer participar, ser protagonista e não apenas assistente ou coadjuvante, por isso o sucesso dos blogs e fotologs. As informações estão na edição de 02/01/2006 de O Estado de S. Paulo.

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.