Banda larga pela rede elétrica: a terceira onda está prestes a explodir

02/03/2007

“A velocidade é equivalente ao serviço de cabo e um pouco mais rápida do que no tradicional DSL”, garante Tim Barhorst, entusiasta da tecnologia. “Mas a velocidade não é assíncrona, o que significa que você tem o mesmo desempenho recebendo ou enviando dados”.

Barhorst recebe sua conexão de internet via BPL, aproveitando a rede elétrica que chega até a sua casa, fornecida pela empresa Duke Energy e com o acesso à web feito pela Current Communications.

Usuários de BPL tendem a ficar muito mais comuns nos próximos cinco anos. Chris Rodin, analista da Parks Associates, de Dallas, EUA, estima que existe cerca de 150 mil usuários da tecnologia nos Estados Unidos. Ele afirma, no entanto, que esse número deve subir para 2,5 milhões em 2011, especialmente em áreas rurais nas quais o cabo ou o DSL não chegam.

Benefícios do grid inteligente
“O ímpeto da adoção do BPL esbarra na falta de desejo das companhias de energia em competir com a AT&T ou Time Warner”, afirma Rodin. Contudo, a oferta de serviços de internet surge como um benefício associado da mudança das empresas de eletricidade para os chamados “grids inteligentes”, o que inclui componentes como sensores e controles interativos.

O especialista afirma que uma empresa de energia só percebe, hoje, que um transformador está queimado depois que o cliente ligou para reclamar. “Com o grid inteligente, será possível ter respostas rápidas e manutenção pró-ativa. Assim, a oferta de serviços de internet no varejo aparece como a cereja no bolo”, acredita.

Os benefícios de um grid inteligente incluem a diminuição nas paradas de fornecimento, além de reduzir as perdas na transmissão de energia. “Diariamente, cerca de 500 mil moradores dos EUA sofrem falhas no fornecimento de energia de, pelo menos, duas horas”, diz Clark Gellings, vice-presidente do Electric Power Research Institute. Dados do instituto dão conta de que as perdas anuais com produtividade chegam a 180 bilhões de dólares.

Gellings destaca que um grid inteligente será capaz de reduzir essas quedas em 80%. Assim como dos 7% em média da energia perdida durante a transmissão, que pode ser reduzido em 10%. Na mesma medida, os clientes vão poder ter medidores que reportam automaticamente o uso, eliminando a necessidade dos leitores. Fica aberta, também, a possibilidade de dar descontos para, por exemplo, quem diminuir o uso durante as horas de pico. (segue)

Lamont Wood – Computerworld, EUA

Please rate this

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.